Atendimento Blog Acontece

Blog Acontece

A LFG acredita que uma boa apresentação vai além dos materiais didáticos; por isso, disponibiliza um portal de conteúdos completo para você se aprofundar ainda mais.

Direito da Família: Estatuto da Família X Estatuto das famílias do século XXI

LFG - Direito da Família: Estatuto da Família X Estatuto das famílias do século XXI

 

Atualmente o Brasil vive uma discussão acerca dos direitos da família, em pelo menos dois âmbitos. No final de setembro, o Congresso Nacional aprovou o Estatuto da Família, o que tem gerado forte debate, uma vez que restringe a definição de família a núcleos formados por um homem, uma mulher e os filhos gerados deste relacionamento. O estatuto exclui não só casais homoafetivos, como pais e mães solteiros ou divorciados, avós que criam seus netos, filhos adotados, afilhados e uma pluralidade de modelos familiares.

Por conta disso, na Câmara dos Deputados tramita o Projeto de Lei 3369/2015, que institui o Estatuto das Famílias do Século XXI. De autoria do deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), o projeto leva em conta a atual realidade social em relação à constituição de família e estabelece critérios mínimos para que o Estado reconheça diferentes tipos de relação.

Veja abaixo alguns esclarecimentos do Doutor em Direito Civil, João Aguirre. O especialista é Vice-Presidente do Instituto Brasileiro de Direito de Família em São Paulo - IBDFAM-SP e professor da LFG, onde coordena o curso de Pós-Graduação em Direito de Família e das Sucessões.

 

A família hoje

O sistema jurídico brasileiro confere especial proteção à família, em suas formas plurais, de acordo com o que estabelece o caput do artigo 226 da Constituição Federal. Afasta-se, assim, da concepção matrimonializada de família, característica do século passado, para se adotar concepção bastante diversa, que tem por objeto garantir a todos a liberdade para a construção de seu próprio projeto existencial, independentemente da forma ou solenidade presente em sua constituição e livre das amarras do preconceito e da discriminação.

A norma constitucional protege, portanto, a família, plural e humana, estruturada em vínculos de afeto, solidariedade, igualdade, liberdade e amor, bastante diferente daquela concepção em que o vínculo matrimonial representava a única força a ser resguardada pelo Estado e através da qual imperavam o casamento e a condição de um casal ser “os pais”.

Nessa nova família não deve haver lugar para tratamento desigual entre homem e mulher ou discriminação sexual e , tampouco existe espaço para a distinção entre filhos. Também sem cabimento, nos dias de hoje, o tratamento privilegiado à família decorrente do casamento em detrimento daquela entidade familiar formada pela união estável entre duas pessoas ou aquela constituída por qualquer um dos pais e seus descendentes.

Assim, a família apresenta por diretriz primeira a dignidade e o bem-estar de seus membros. O núcleo familiar unido por relações de afeto, comunhão de interesses, solidariedade e amor, merece ser regulamentado sob a égide do Direito de Família, com vistas a garantir o projeto pessoal de felicidade de seus membros, ideal a ser alcançado através da espontaneidade, da singularidade e da variedade dos seres humanos.

O ser humano deve ter liberdade para moldar o seu próprio caráter e para poder escolher a forma de convivência social que melhor corresponda às suas expectativas e anseios. Nesse contexto, a imposição legislativa de um modelo familiar ou a exclusão de determinadas entidades familiares do âmbito do Direito de Família, por discriminação ou preconceito, constituem afronta direta à individualidade e, principalmente, ao princípio da dignidade da pessoa humana, em desrespeito aos valores de nosso sistema jurídico constitucional.

As relações entre os membros de um núcleo familiar não devem, portanto, ser subordinadas a um regime legal que imponha ou privilegie uma determinada concepção de família em detrimento de qualquer outra.


*Conteúdo produzido pela LFG

Assine nossa newsletter!

Recomendamos para você: