Blog Acontece

Este canal é feito especialmente para você que busca dicas de estudos, notícias e artigos do mundo jurídico, preparação para provas de concursos públicos e OAB, entre outros temas relevantes do segmento em que atuamos. Acompanhe nossas publicações e amplie ainda mais seus conhecimentos.

Concurseiros: quando utilizar para mim e para eu

Concurseiros: quando utilizar para mim e para eu

 

 

Uma dúvida gramatical recorrente pode assombrar os concurseiros na hora da prova. Seja para interpretar algum texto em respostas múltiplas ou mesmo para desenvolver a redação: o uso correto de “para mim” e “para eu” é fundamental.

 

Afinal, o emprego de cada uma das sentenças depende da situação em que esta será empregada, uma vez que as duas estão corretas, cada uma a seu modo.

 

O primeiro ponto que geralmente ajuda a aprender qual é a forma a ser usada é lembrar que “mim” não conjuga verbo. O segundo é perceber que “eu” é sujeito e “mim”, objeto.

 

 

Como usar corretamente “para mim”

 

“Mim” é um pronome pessoal oblíquo tônico. A regra para o uso desse tipo de pronome é que sempre será necessário utilizá-lo precedido de uma preposição. Além disso, “mim” sempre terá a função de complementar a oração. Trata-se do objeto direto, a saber:

 

“O convite serve para mim e não para você”
“Você trouxe comida para mim?”
“Este objeto, para mim, trata-se de uma arma, uma vez que, por ter uma lâmina de mais de três centímetros, pode perfurar o peito e atingir o coração”.

 

Veja que nos exemplos acima, o mim não é sujeito e tampouco executa alguma ação.

 

Quando usar “para eu”

 

“Para eu” será utilizado sempre que “eu” for o sujeito da oração seguido de um verbo no infinitivo que indique uma ação. Além disso, “eu” também é pronome pessoal do caso reto, ou seja, assim como “tu”, “nós”, “eles”, está sempre no papel de sujeito. Confira:

 

Para eu passar no concurso, terei que assumir o compromisso de estudar.”
“Não há tempo hábil para eu entregar este trabalho.”
Para eu viajar, preciso arrumar todas as minhas malas.”
“Tudo deve estar aprendido para eu não errar no conteúdo das provas”.

 

Veja que, na última frase do exemplo, mesmo que o pronome não esteja seguido diretamente do verbo e sim da palavra “não”, a ação permanece, mesmo na negação. Portanto, deve-se manter “eu” em vez de “mim”.

 


“Entre mim” ou “entre eu”?

 

Aqui temos outra situação passível de enganos na hora da prova e do desenvolvimento da redação. É sobre quando usar “entre mim” e “entre eu”.

 

Como no caso acima descrito, a sentença também dependerá da forma em que for aplicada, uma vez que as duas formas podem estar corretas.

 

Como dissemos nos primeiros itens deste texto, os pronomes pessoais do caso reto (eu, tu, ele, nós, vós, eles) têm, na grande maioria das vezes, a função de sujeito de uma oração.

 

Assim, os pronomes pessoais do caso oblíquo (mim, contigo, comigo) têm a função de complemento, quase sempre como objeto da oração.

 

Desta forma, usar “eu”, pronome pessoal do caso reto, como objeto da oração, está incorreto, uma vez que “mim” tem essa função, além de aparecer logo após a preposição “entre”. Veja nos exemplos:


“Esse conteúdo já foi aprovado entre mim e ele.”
“Esse fato veio de um acordo feito entre mim e ela.”
Entre mim e você existe uma diferença muito grande de idade.”


A regra se aplica diretamente quanto ao uso de “entre eu”. Desta forma, como “eu” tem a função de pronome pessoal do caso reto, deve ser aplicado sempre que houver um verbo depois (como vimos acima) ou quando estiver no final da frase.


Confira nos exemplos:


“O acordo foi firmado entre um amigo e eu.”
Entre eu tomar alguma atitude ou deixar que você resolva, prefiro a segunda opção.”
“Esse contrato foi formalizado entre você e eu”.

 

 

Conteúdo produzido pela LFG, referência nacional em cursos preparatórios para concursos públicos e Exames da OAB, além de oferecer cursos de pós-graduação juridica e MBA.

Assine nossa newsletter!

Recomendamos para você: